Diário de Blumka

 

Livro: Diário de Blumka

Autora e Ilustradora: Iwona Chmielewska

Tradução : João Guimarães

Editora: Pulo do Gato, 2017.
 
 
Histórias difíceis e incômodas sempre será um desafio para a literatura infantojuvenil pelas diversas formas de como poderão ser contadas.

         

 

 

"E por isto fiquei encantada quando recebemos pelo Blog Livros para todas as idades, o “Diário de Blumka”. É um livro muito interessante da Editora Pulo do Gato, que sempre nos apresenta ótimas histórias. Este livro me envolveu com uma narrativa impactante escrita pela autora e ilustradora Iwona Chmielewska e nela observo dois aspectos: um deles é dar um foco sobre a memória histórica que é resgatada de forma profunda, até certo ponto poética, pela narrativa e ilustrações criativas do contexto histórico em que se revela o conteúdo desta memória. O que nos remete ao segundo aspecto, que é a construção literária em si. 

A história pode ter um recorte de tempo presente se levarmos em conta a história de algumas crianças que viveram em uma espécie de orfanato na cidade de Varsóvia, Polônia no período da segunda grande guerra. E a partir deste ambiente, a autora aproveita para resgatar também a memória do Dr. Janusz Korezak, um humanista com formação em medicina que se voltou para a Educação por influência de sua esposa que cuidava de um orfanato em Varsóvia, e lá ambos levaram em frente um projeto de vida para a manutenção de uma corrente do bem e do afeto que pudesse estabelecer um equilíbrio a diversas crianças judias e órfãs acolhidas pelo casal.

Através de uma foto tirada com algumas crianças, a autora aproveita para homenagear este médico e educador de vocação, Dr. Janusz Korezak, também presente como personagem em sua narrativa. A autora aproxima a narrativa do leitor relatando o cotidiano do lugar através do diário de uma das crianças, a Blumka do título, que vai nos guiar pelas histórias cotidianas de cada uma daquelas crianças que estão na foto, como um fio condutor em que ela aproveita para destacar particularidades de cada uma delas.

Desta maneira ela revela um universo rico e particular para além do que possamos pensar o que possa ocorrer com todos estes personagens em um futuro próximo. Mesmo que possamos identificar um desfecho e destino tanto das crianças como dos personagens reais inspirados no casal, que são o educador e sua esposa, existe um convite para que possamos entrar dentro daquele universo particular e nos envolver com suas histórias de vida com relatos do tempo presente, sem planos para o futuro, porém regados de esperança.

O projeto gráfico é incrível com traços fortes e ao mesmo tempo revelando uma atmosfera delicada do ambiente interno do lugar habitado pelas crianças e dirigido pelo Dr. Janusz Korezac, na verdade dr. Henryk Goldzmit  e sua esposa Stefa Wileczinska, também personagem discreta da história. As imagens são mostradas com traços realistas em espaços que remetem o ambiente de folhas de papel, cartas e outros acessórios disponíveis no universo restrito daquelas crianças e ao mesmo tempo ajuda a revelar a criatividade e o desejo individual de cada uma delas.

A autora ao realizar esta justa homenagem a este “homem que educava pela paz”, e que espalhava afeto e acolhimento numa realidade onde a guerra estava muito próxima e o destino traçado por conta da condição dramática daquelas crianças, ajuda a dar um tom edificante a uma história que por mais difícil e indigesta que possa parecer, nunca poderá ser esquecida.

Foi muito interessante e rico poder ler uma narrativa com um conteúdo histórico descrito nas entrelinhas, e com algumas descrições que são feitas em textos complementares, que contextualizam através de uma breve biografia  sobre o educador homenageado, ajudando a aprofundar e buscar referências para um entendimento mais abrangente de nossa história social. É uma história narrada de forma profunda e sensível para leitores curiosos de todas as idades." 

(Mercedes Fernandes)